Setores público e privado se unem para alavancar o turismo da região

A criação do Conselho Municipal de Turismo, do Plano de Desenvolvimento Turístico com colaboração de todos os atores do segmento são algumas das estratégias para alcançar o objetivo

Por Beatriz Steck

A cidade de Campinas ocupa a 5ª posição no ranking da International Congress and Convention Association (ICCA) de cidades brasileiras que mais recebem eventos e congressos internacionais, ficando atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis e Foz do Iguaçu, que ocupam juntas a 3ª colocação, e Brasília. Mesmo com a proximidade da capital do estado de São Paulo, a cidade reforça, a cada ano, a forte vocação para a recepção de eventos de relevância e faz parte do Quadrilátero Paulista, formado por Campinas, Santos, São José dos Campos e Sorocaba, que representa uma população de 30 milhões de habitantes, 80% do PIB paulista e 27% do nacional.

A concentração de população, ambiente corporativo favorável e infraestrutura adequada com parque hoteleiro qualificado, espaços multiuso para eventos, logística de rodovias e o aeroporto de Viracopos atraem grandes empresas que, por consequência, desenvolvem o Turismo de Negócios. Para que a cidade se consolide, de fato, como um importante destino de eventos de relevância é de extrema importância o trabalho colaborativo entre os setores público e privado.

“Essa sinergia é muito importante porque o poder público tem um papel de regulamentação, mas muitas vezes é um dificultador. Hoje a gente sente que a maior dificuldade que os organizadores enfrentam são as taxas e os custos para a realização de eventos em Campinas, que são extremamente altos e, algumas vezes, fazem com que desistam e procurem outra cidade para sediar seus eventos” afirma Ricardo Monteiro, presidente do Expo D. Pedro. Outro aspecto a ser levado em consideração, é o papel do poder público em dar uma segurança jurídica para que os investimentos da iniciativa privada sejam feitos de forma adequada e segura, trazendo mais investidores e empresários com o interesse em atuar nessa área.

Com o objetivo criar estratégias para o desenvolvimento do turismo em suas diferentes segmentações e conduzir da melhor forma para ambos os lados as decisões políticas relacionadas ao setor, a Prefeitura de Campinas iniciou, em março, a elaboração coletiva do Plano de Desenvolvimento Turístico com representantes do poder público, de empresas privadas e da sociedade. A previsão é que novo Plano tenha uma validade de 10 anos, com atualizações feitas entre um período de 2 a 3 anos para entender quais ações funcionaram e quais ajustes precisam ser feitos.

Recuperação

A iniciativa chega para minimizar os desgastes causados pela recessão enfrentada pelo País nos últimos anos. De acordo com Rodrigo Porto, Diretor de Suprimentos da Rede Vitória Hotéis, com a crise, o número de eventos diminuiu e, por consequência, o turismo de negócios também. “Agora, a maior dificuldade para a rede hoteleira de Campinas é atrair novamente esses eventos com a concorrência de outras cidades cada vez mais forte. Além disso, nesses últimos anos as diárias médias dos hotéis caíram muito devido às negociações mais duras por conta da crise. Então temos dois desafios para o futuro: voltar as diárias médias a patamares que sejam saudáveis ao negócio e atrair cada vez mais eventos para encher os hotéis”, aponta Rodrigo.

Alcançar esse objetivo não será uma tarefa fácil, mas os envolvidos seguem otimistas. “Com a criação do COMTUR, Conselho Municipal de Turismo, de Campinas, com representantes do setor privado e público, estamos tendo um meio de diálogo entre esses setores, fato que acontecia muito pouco anteriormente. E por meio do Conselho está sendo criado o Plano de Desenvolvimento do Turismo, ou seja, ele será um trabalho realizado com a contribuição de todos” ressalta Rodrigo.

O presidente do COMTUR, Vanderlei Costa explica que um dos principais aspectos do Plano é ter mais espaço para todas as categorias envolvidas e adequar a cidade aos requisitos para a classificação de um município de interesse turístico. “Dessa forma teremos um crescimento promissor e fundamental para a economia. Além disso, queremos impulsionar o turismo rural, histórico e ter um observatório de turismo para mapear nossos turistas. Campinas é conhecida como Polo de Ciência e Tecnologia, mas temos muito potencial e estrutura para negócios, eventos e turismo de lazer” complementa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *